Voltar

Notícias

Senador acusado de pedofilia migra para Partido da Mulher Brasileira


11 de dezembro de 2015 223 visitas

Hélio José deixa o PSD e, na tribuna do Senado, dispara: “O que seria de nós, homens, se não fosse uma mulher para nos trazer alegria e prazer”? Parlamentar nega acusações e lembra que processo já foi arquivado

O Partido da Mulher Brasileira conquistou hoje (10) seu primeiro representante no Senado. Hélio José (DF) oficializou sua saída do PSD e agora integra o PMB, partido formalizado pelo Tribunal Superior Eleitoral em 29 de setembro. Em pouco mais de dois meses, a legenda já acumula 20 representantes na Câmara – sendo 18 homens e duas mulheres – e agora expande sua atuação para o Senado. Apesar da disparidade de gênero entre seus representantes, o PMB entrou na arena política defendendo o aumento da participação das mulheres na vida pública.
“Não tenho como negar que uma das principais bandeiras de meu mandato, uma das razões pelas quais me dedico à atividade político partidária é a luta pelo fim do preconceito contra as mulheres e pela igualdade de direitos entre os gêneros”, disse o atual líder do PMB no Senado, Hélio José, ao agradecer os colegas do PSD pela parceria, entre eles o presidente do partido, Gilberto Kassab e o líder da bancada na Câmara, Rogério Rosso (DF).

“Sinto-me obrigado a participar dessa empreitada”, disse o senador, lembrando que tem esposa e três filhas. “Eu como homem tenho prazer de estar nesse partido para lutar pelos direitos sociais de todas as pessoas, principalmente as mulheres. O que seria de nós, homens, se não fosse uma mulher para estar do lado, para nos trazer alegria e prazer?”, questionou Hélio José, que fez questão de lembrar das colegas do Senado em seu discurso.

Complicação

As loas à figura da mulher feitas da tribuna pelo senador contrastam com uma complicação judicial que ele teve de enfrentar recentemente. Então suplente do atual governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, Hélio foi acusado, em 2010, de abusar sexualmente da própria sobrinha, e teve de deixar o posto de secretário de Assuntos Institucionais e Políticos do PT depois que a denúncia chegou ao comando do partido no DF. O próprio Hélio preferiu se afastar da função para evitar o desgaste e a exposição pública, e chegou a enfrentar processo de afastamento na legenda.

O senador nega as acusações e as atribui a perseguição de adversários políticos. “Isso não passou de uma trapalhada de alguns setores ligados ao PT que, na época, queriam passar minha vaga de primeiro suplente de senador para um milionário do ramo neoquímico. O Ministério Público e o Tribunal de Justiça do DF já arquivaram o caso”, garantiu o parlamentar em outubro do ano passado, já sabendo que, com a vitória de Rollemberg para o GDF, tomaria posse no Senado em 1º de janeiro deste ano.