Voltar

Notícias

Professores da rede estadual são premiados com viagem para a Inglaterra


19 de janeiro de 2017 194 visitas

Docentes venceram o 3º Prêmio de Educação Científica

Quatro professores da Secretaria de Educação, vencedores do 3º Prêmio de Educação Científica, embarcaram para a Inglaterra no fim de semana.  No total, seis docentes, sendo dois da rede municipal de ensino, foram campeões e ganharam uma viagem educativa para Londres. A premiação é uma iniciativa da BG Brasil, subsidiária da Royal Dutch Shell plc., em parceria com o Governo do Estado e o British Council.

O professor Saulo Paschoaletto de Andrade, do Ciep 456 – Marco Polo, em Três Rios, no Centro-Sul, ficou com o 1º lugar na categoria Ensino Médio. O projeto vencedor foi “O que há em comum entre as pilhas, celulares, tablets e produtos de limpeza? Eletroquímica, a química do cotidiano”. O 2º lugar foi para o docente Hercílio Pereira Cordova, do Colégio Estadual Professor José de Souza Marques, em Brás de Pina, na Zona Norte do Rio. Ele desenvolveu o “Estudo das condições térmicas da sala de aula”.

O projeto “Utilizando funções na economia de energia elétrica”, de Sebastião Luís de Oliveira, do Ciep 493 – Professora Antonieta Salinas de Castro, em Barra Mansa, no Médio Paraíba, ficou em terceiro lugar.

Na categoria Ensino Fundamental, o professor Marcos Paulo Henrique, do Colégio Alfredo Pujol, em Rio Claro, no Médio Paraíba, ficou em 3º lugar. Ele realizou o “Do bolso para as mãos: o smartphone como uma nova alternativa na aula de Matemática”.

Conheça os projetos

O que há em comum entre as pilhas, celulares, tablets e produtos de limpeza?

O projeto trabalha conteúdos de eletroquímica de forma lúdica, levando os alunos a se envolverem na construção de protótipos funcionais de pilhas e baterias, entre outros desafios. Nas experimentações, os estudantes utilizaram placas, moedas, fio de cobre, clipes, arruelas de zinco, latas de alumínio, sal de cozinha e hipoclorito de sódio. Também realizaram exercícios na internet e analisaram as consequências do descarte inadequado de pilhas e baterias no ambiente e formas de reciclagem dos componentes destes objetos.

Utilizando funções na economia de energia elétrica

A proposta é baseada na tecnologia ativa de ensino Project-Based Learning, o aprendizado que tem  como foco projetos que apostam em vivências práticas e resolução de problemas, trabalhando funções e consciência ambiental. Na prática, os alunos foram divididos em equipes, identificaram a potência elétrica dos equipamentos de suas residências, calcularam em quilowatt/hora e elaboraram planilhas e gráficos. Ao final, explicaram como foi o desenvolvimento do projeto, sugeriram dicas e recomendações para a economia de energia elétrica.

Do bolso para as mãos: o smartphone como alternativa na aula de Matemática

O projeto visa implementar atividades para o aprendizado geométrico por meios dos smarthphones dos alunos. Para isso, é utilizado um software matemático que reúne geometria, álgebra e cálculo, o GeoGebra, permitindo a construção de figuras geométricas, com manuseio e verificação de propriedades a partir do toque na tela do telefone celular. A proposta tem como objetivo introduzir uma prática pedagógica que provoque e valorize o interesse dos estudantes.

Estudo das condições térmicas da sala de aula

O objetivo do projeto é mostrar aos alunos como age um pesquisador, sem o uso de suposições, mas com pesquisa e avaliações dos resultados. Na prática, a experiência consistiu em criar um kit térmico controlado por placa eletrônica que registrava a temperatura, umidade do ar e velocidade do vento dentro da sala de aula. Os dados foram armazenados em um cartão de memória, analisados e comparados em tabelas.

Foto: Márcia Costa