Voltar

Notícias

Primavera gera uma explosão de pólen e aumenta casos de rinite alérgica


22 de setembro de 2016 338 visitas

Se quadros não forem corretamente tratados podem evoluir para problemas como faringite, laringite ou rinoconjuntivite alérgica, afirma especialista

A primavera começa nesta quinta-feira (22), às 11h21. Ao mesmo tempo em que as flores começam a marcar presença nas paisagens do país, uma verdadeira explosão de pólen pode fazer com que muitas pessoas passem a ter coriza, dificuldade para respirar, espirros mais frequentes e muita coceira no nariz e olhos nesta época do ano.

Trata-se da rinite sazonal, que ocorre agora na Primavera. De acordo com Dr. Ulisses José Ribeiro, otorrinolaringologista do Hospital São Luiz, o problema é mais evidente em países com estações climáticas mais definidas, mas pode ocorrer em outros lugares também. “Para evitar que estes sintomas se agravem, devemos manter os ambientes limpos, arejados, fazer boa higienização nasal com soluções salinas e procurar um especialista caso os sintomas se agravem.”

Como a rinite causa um aumento das secreções nasais, elas podem ser infectadas por bactérias ou fungos, infeccionando o ouvido, a garganta e os brônquios, por exemplo. A alergia pode evoluir para uma asma, uma faringite, laringite ou até uma rinoconjuntivite alérgica. O coordenador técnico do projeto social Brasil Sem Alergia, Marcello Bossois, explica também que o nariz tem terminações nervosas que ligam o órgão aos olhos, então uma conjuntivite, por exemplo, pode estar relacionada a uma inflamação no nariz.

Tratamento contra a hipersensibilidade ao pólen, que causa a rinite na primavera, pode ser feito com imunoterapiaPixabay

Tratamento contra a hipersensibilidade ao pólen, que causa a rinite na primavera, pode ser feito com imunoterapia

O alergista afirma que essa é uma época particular para a pessoa alérgica. Para aqueles com a rinite causada por ácaro e que tem os sintomas da doença ao longo de todo ano, ele recomenda abrir as janelas para arejar o ambiente, já no caso dos alérgicos ao pólen a recomendação é oposta.

“Quem mora em regiões próximas a florestas, nas regiões sudestes e sul, é aconselhado fechar as janelas e usar mais o ar condicionado, porque ele acaba filtrando o pólen. Sem se esquecer de lavar com frequência os filtros do ar para não ter outros problemas.”

Não secar a roupa ao ar livre, para o pólen não entrar em contato com ela, é outra recomendação. Na hora de lavar as narinas com soro, o melhor é deixar o líquido morno – nunca quente – para que não haja choque com a temperatura do organismo.

“Pessoas com hipersensibilidade ao pólen e que sofrem muito com os sintomas na primavera podem realizar uma imunoterapia. A vacina serve para que, quando entrar essa época do ano, não haja o problema”, completa o coordenador do Brasil Sem Alergia, projeto que oferece atendimento médico gratuito no Rio de Janeiro.