Voltar

Notícias

Prefeitura de Cantagalo anuncia pagamento de novembro para 1º de dezembro


26 de novembro de 2015 259 visitas

Governo vem tentando superar a crise com queda de mais de R$ 6,5 milhões até agosto, quando foi fechado o segundo quadrimestre
Cantagalo – A Prefeitura de Cantagalo, através das secretarias municipais de Fazenda e de Planejamento e Gestão, anunciou que o pagamento dos salários do mês de novembro dos mais de 1,1 mil servidores ativos e dos quase 600 aposentados e pensionistas do Ipam (Instituto de Pensão e Aposentadoria Municipal) será efetuado no dia 1º de dezembro, terça-feira da próxima semana, ao contrário do que vinha sendo feito até então, com o pagamento creditado sempre dentro do próprio mês trabalhado.
De acordo com os secretários Jorge Valverde (Fazenda) e Márcio Longo (Planejamento e Gestão), a medida tem como objetivo desafogar os cofres municipais, que vêm sendo seriamente afetados pela crise econômica que assola o país e que levou os municípios a sofrerem drásticas quedas de arrecadação e repasses de transferências. Até o fechamento do segundo quadrimestre deste ano – janeiro a agosto –, por exemplo, o município perdeu absurdos R$ 6.588.659,17, o que representa uma variação negativa de -13,28% na comparação entre a estimativa de receita prevista no orçamento do período (R$ 59.960.464,67) e o que foi arrecadado até agosto (R$ 53.371.805,50).
Além disso, lembra o prefeito Saulo Gouvea, a Prefeitura já cumpriu com a antecipação de metade do 13º salário dos servidores, que foi dividida em duas partes este ano, também por conta da crise: em julho, quando foi paga a primeira parcela aos que recebem até R$ 2 mil mensais, beneficiando cerca de 68% do total; e no último dia 13 de novembro, quando receberam os demais servidores.
– Além disso, ainda temos o mês de dezembro, a segunda parcela do 13º salário e, logo em seguida, o mês de janeiro. Não será nada fácil, considerando a queda de receita que temos observado desde 2013 e que só piora. O problema maior é que há queda acentuada de receita, mas as despesas fixas, aquelas que não podemos cortar, só aumentam, considerando não só os índices inflacionários, mas, também, o aumento da demanda no atendimento às necessidades da população nas mais diversas áreas – destaca o prefeito.
Redação: Gilmar Marques