Voltar

Notícias

Número de mortes confirmadas por febre amarela em Minas Gerais chega a 32


24 de janeiro de 2017 79 visitas

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) apresentou novo boletim epidemiológico nesta segunda-feira (23) atualizando os dados referentes à febre amarela no estado. O número de mortes confirmadas chegou à 32, sete a mais do que o registrado na última divulgação, na sexta-feira (20).

Os óbitos confirmados ocorreram em 14 municípios. Outras 51 mortes suspeitas seguem em análise. Ao todo, Minas Gerais já soma 391 notificações, das quais 58 tiveram confirmação. Os casos e mortes são considerados confirmados quando o paciente apresenta exame positivo para febre amarela, exame negativo para dengue, exame que aponta disfunção renal, falta ou desconhecimento da vacinação, além dos sintomas compatíveis com a doença.

Na última quinta-feira (19), o subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde, Rodrigo Said, disse à imprensa que o surto já é o maior registrado em Minas Gerais. “Nós tivemos dois grandes surtos em 1999 e 2000. Tivemos também um surto localizado em Ubá e na região centro-oeste do estado em 2010. Mas, este ano já supera tanto em número de casos, como de municípios e de mortes”.

Desde que o número de casos suspeitos começou a crescer, o governo do estado adotou diversas medidas. No início do mês, o governador mineiro Fernando Pimentel anunciou um investimento de R$26 milhões para o combate da doença, além de decretar situação de emergência em saúde pública numa área de abrangência que inclui 152 municípios. A medida permite agilizar processos administrativos para aquisição de insumos e contratação de serviços e funcionários temporários.

O estado também preparou o Hospital Eduardo de Menezes, em Belo Horizonte, para receber pacientes com suspeita de febre amarela. Foram reservados 42 leitos, sendo 32 de enfermaria e 10 de Centro de Terapia Intensiva (CTI). Outros 9 leitos de CTU estão sendo equipados para também integrar este atendimento. Embora Belo Horizonte não possua nenhum caso suspeito, há pessoas infectadas no interior se deslocando à capital.

Atualmente, estão internados no Hospital Eduardo de Menezes 21 pessoas com suspeita de febre amarela, sendo quatro no CTI. Além disso, outros 15 pacientes que passaram por lá já receberam alta.

Intensificação vacinal

A febre amarela é causada por um vírus da família Flaviviridae e ocorre em alguns países da América do Sul, América Central e África. No meio rural e silvestre, ela é transmitida pelo mosquito Haemagogus. Já em área urbana, o vetor é o Aedes aegypti, o mesmo da dengue, do vírus Zika e da febre chikungunya. Segundo o Ministério da Saúde, a transmissão da febre amarela no Brasil não ocorre em áreas urbanas desde 1942. A SES-MG considera que nenhum dos casos suspeitos no estado são urbanos.

A principal medida de combate à doença é a vacinação da população. O imunizante é ofertado gratuitamente nos postos de saúde por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). A aplicação ocorre em dose única, devendo ser reforçada após 10 anos. No caso de crianças, o Ministério da Saúde recomenda a administração de uma dose aos nove meses e um reforço aos 4 anos.

A SES-MG informa que o estado está abastecido e que faltas nos postos de saúde serão pontuais e temporárias, quando a demanda no local for superior à capacidade de armazenamento. A orientação do órgão é para que os municípios na região atingida realizem uma intensificação vacinal, ampliando o horário de funcionamento das unidades de saúde, inclusive, nos finais de semana.

Edição: Amanda Cieglinski