Voltar

Notícias

Novo chefe da Polícia Civil pede apoio da população


21 de outubro de 2016 172 visitas

Durante sua posse, Carlos Leba lembrou da morte de policiais

WILSON AQUINO

Rio – O delegado Carlos Augusto Leba assumiu, nesta quinta-feira, o comando da Chefia de Polícia Civil. E chorou. Leba se emocionou com a exibição de um vídeo sobre 29 policiais mortos entre 2014 e 2016. “Quem perde um companheiro em batalha, quem abraça uma vítima de estupro ou vítima de morte violenta, quem já viu um corpo pútrido, já não é mais o mesmo”, lamentou. Nesta quinta-feira, a lista de agentes mortos aumentou, com o assassinato do policial civil aposentado Marco Antonio de Oliveira e Silva. Ele foi morto a tiros, em Nova Iguaçu, em circunstâncias que são investigadas pela Divisão de Homicídios (DH).

Carlos Leba defendeu maior repressão à circulação de pistolas e fuzis. “Sem arma, sem crime violento”, afirmou, garantindo que o objetivo principal de sua gestão será “como desarmar os bandidos e descobrir de onde vem o senhor das armas”. Ele disse ainda que a Segurança Pública, em última análise, “é aquela que se expressa no atendimento à população, no cumprimento das ordens judiciais e requisições do Ministério Público”. Disse também que “não é possível fazer Segurança Pública sem que a população e os demais segmentos estejam encorpados nesse projeto”.

A posse coincidiu com a realização de audiência pública na Alerj, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Mortes de Policiais, onde foram apresentados números dramáticos. Segundo a CPI, 114 policiais militares foram mortos e 556, feridos somente neste ano. A maior parte das mortes de policiais ocorre fora de serviço, entre as 18h de sexta-feira e as 16h de domingo, de acordo com o subsecretário de Educação, Valorização e Prevenção da Seseg, Pehkx Jones. Segundo ele, até o final deste ano, deverá ser lançado o Dossiê Vitimização Policial, com uma série de dados acerca dos homicídios de profissionais de segurança. “A Polícia Militar conhece um pouco melhor o fenômeno dessa vitimização. Nossa preocupação é atualizar. Recentemente sugerimos ao secretário Roberto Sá a criação de um grupo de trabalho e uma solução definitiva, que a gente crie um dossiê de vitimização nos mesmos moldes de como foi criado, por exemplo, o dossiê da mulher”, disse.

O Chefe de Estado Maior da Polícia Militar, comandante Lima Freire, que esteve na audiência, disse que política hoje é voltada para prevenção. “A nova política de segurança, de 2007 para cá, que é a redução de delitos gerando benefício financeiro para o PM, ajuda no controle das mortes. Quanto mais o policial reduzir delitos como furto, latrocínio, roubo de veículo, ele é premiado. Com esse novo tipo de sistema iremos inverter essa lógica de policial morto”, garantiu.

Viúvas e órfãos da PM expõem seu drama na Alerj

Parentes de policiais militares mortos compareceram à audiência pública e, em seguida, realizaram ato, pedindo auxílio do governo do estado. Viúvas, órfãos e esposas de policiais que ficaram inválidos, expuseram seu sofrimento e abandono nas escadarias da Alerj. “Nós éramos unha e carne, e hoje eu estou sozinha. Era eu e ele pra tudo”, recorda Fabiana Almeida, viúva de Thiago Machado Costa, soldado do 12º BPM (Niterói), morto no dia 6 de abril. Sem apoio da PM, ela conseguiu enterrar o marido porque os colegas de farda fizeram ‘vaquinha’.

“Ele morreu como soldado e foi promovido a sargento depois de morto, então tem uma diferença pequena na pensão, coisa de R$ 200. Mas eu não consegui ainda dar entrada nessa pensão, porque o batalhão não publicou ainda no Diário Oficial a morte do meu marido”, desabafou Fabiana. Ela teve que se mudar após a morte do marido, porque foi ameaçada por traficantes. “Hoje, pago aluguel”.