Voltar

Notícias

Lava Jato revela apelido e nomes cifrados em pagamentos milionários da Odebrecht


23 de março de 2016 217 visitas

Nesta terça-feira (22), os executivos da empresa anunciaram que vão fazer uma colaboração “definitiva” com a Lava Jato

Estadão Conteúdo

Ao avançar sobre o esquema de pagamento de propinas a agentes públicos e políticos das empresas do grupo Odebrecht, os investigadores da Lava Jato se depararam com uma nova leva de apelidos e nomes cifrados para se referir aos destinatários de pagamentos milionários da empreiteira.

“Mineirinho”, “Grisalho”, “Crente”, “Novo Canário” e até “Jacaré” estão entre os nomes dos destinatários que receberam recursos, inclusive, durante as eleições de 2014.

Na noite desta terça-feira (22) os executivos da empresa, incluindo Marcelo Odebrecht, anunciaram que vão fazer uma colaboração “definitiva” com a Lava Jato. Com isso, a expectativa é de que os nomes cifrados acabem vindo à tona.

Até o momento, ao menos 21 nomes de destinatários dos pagamentos ilícitos feitos no Brasil a mando de executivos da empreiteira foram identificados pela Polícia Federal, que suspeita que eles sejam em vários casos meros intermediários dos destinatários finais da propina.

Alguns nomes não identificados, contudo, chamaram a atenção dos investigadores, sobretudo pelo grande volume de recursos que teriam recebido, como é o caso de “Mineirinho”, apontado como destinatário de R$ 15 milhões entre 7 de outubro e 23 de dezembro de 2014. As entregas, segundo as planilhas, teriam sido feitas em Belo Horizonte.

A quantia foi solicitada pelo diretor superintendente da Odebrecht Infraestrutura para Minas Gerais, Espírito Santo e Região Norte, Sérgio Neves, à secretária Maria Lúcia Tavares, que fez delação e admitiu operar a “contabilidade paralela” da empresa a mando de seus superiores. O pedido foi intermediado por Fernando Migliaccio, ex-executivo da empreiteira que fazia o contato com Maria Lúcia e que foi preso na Suíça.

A solicitação foi encaminhada no dia 30 de setembro de 2014, 13 dias após o então presidente da holdin Marcelo Odebrecht conversar com o presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Junior sobre a “viabilização” de “15” a um destinatário que até então não estava claro para a PF.

“Diante das novas informações ora colacionadas, resta claro que os ’15’ representam, na verdade, R$ 15 milhões, o total de recursos disponibilizados a Mineirinho, via Sérgio Neves”, assinala a Polícia Federal no relatório que embasou a 26ª fase da operação.