Voltar

Notícias

Governo do RJ repassa R$ 57 milhões para pagamento do Legislativo


25 de maio de 2017 182 visitas

Já foram repassados à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) os duodécimos, recursos que garantem o pagamento de servidores do Legislativo fluminense. Os R$ 57 milhões devidos pelo governo entraram no caixa da Casa horas depois de o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), afirmar que iria analisar pedido de impeachment do governador Luiz Fernando Pezão.

A jornalistas, Picciani lembrou que não efetuar os repasses poderia configurar crime de responsabilidade de Pezão. “Esta Casa está com seu duodécimo atrasado desde fevereiro. Avisei ao secretário de Fazenda e avisei ao governador: é necessário não cercear o funcionamento do poder Legislativo porque isso, sim, é crime de responsabilidade. Vou estar decidindo na próxima semana sobre todos pedidos de impeachment”, ressaltou Picciani.

A possibilidade de se abrir um processo de impeachment contra o governador por crime de responsabilidade durou até o fim da tarde. De acordo com informações da assessoria da Casa, com o montante depositado será possível pagar os inativos do Legislativo, nesta quinta-feira (25), e repor o dinheiro do salários dos ativos. Estes teriam recebido o último mês graças a adiantamento da Alerj feito com recursos próprios.

Enquanto Picciani, do lado de dentro, concedia entrevista, do lado de fora do Palácio Tiradentes o confronto entre manifestantes e policiais militares se acirrava. O protesto era contra a proposta do Governo do Rio de aumentar a alíquota previdênciária, de 11 para 14% do funcionalismo estadual – a proposta foi aprovada. Alguns dos que integravam o protesto eram mascarados e, ao fim dos embates, seis pessoas foram conduzidas para 9ª DP (Catete). Duas permaneceram presas.

Laudo impede entrada de servidores

A Justiça do RJ já havia determinado que os servidores estaduais têm o direito de acompanhar as sessões na Alerj nas galerias da Casa. A assessoria da Alerj, no entanto, informou que a decisão só permite a entrada no palácio se for possível garantir a integridade física das pessoas presentes.